As gigantes do Vale do Silício são questionadas sobre invasão de privacidade dos usuários

Você está conversando sobre um produto “X” e depois, ao navegar na internet, recebe um anúncio exatamente sobre a mesma coisa. Essa experiência  tem se tornado cada vez mais comum e trouxe o questionamento sobre a possibilidade de grandes empresas de tecnologia como Facebook e Google estarem bisbilhotando as suas conversas. Será que você está sendo espionado?

Para entender, imagine a seguinte situação: você está conversando com os seus amigos do trabalho sobre viagens para as próximas férias, ao chegar em casa, abre o celular e recebe diversas propagandas sobre passagens de companhias aéreas ou até mesmo pousadas e hotéis com informações para quem deseja viajar. Estranho, não?

Muito se discute sobre a capacidade tecnológica de escutar, interpretar, filtrar palavras chaves ou até mesmo enviar as conversas dos usuários pela rede. Para entender como essa dúvida é comum entre os usuários basta pesquisar no seu navegador: “O Facebook está nos escutando?” ou “O Google está nos escutando?” e confira os resultados.

Teorias sobre o Facebook

A primeira hipótese é sobre a utilização do microfone dos smartphones para escutar suas conversas e enviar publicidade digital direcionada. Até quando você não está no Facebook, visitando outros sites por exemplo, tudo está sendo catalogado através de cookies e outros rastreadores projetados pelo Facebook. A empresa nega qualquer utilização do microfone para esse fim e defende que mostra os anúncios com base nos interesses e nas informações dos perfis dos usuários.

Na seção de preferências do Facebook Ads, conseguimos visualizar todos os interesses que a empresa supõe que você tenha, desde mídia a pessoas, comidas, estilo de vida, esportes e etc. O Facebook consegue identificar qual é o aparelho de celular ou tablet que o usuário tem, se mora longe da família, entre outras características de perfis.

Inteligência Artificial em destaque

O Google tem se destacado com a utilização da Inteligência Artificial em seus produtos como Google Fotos, Google Play, Tradutor e principalmente a assistente de voz. A preocupação dos usuários se dá pela quantidade de “permissões” que são solicitadas na hora de utilizar esses aplicativos. Levando mais uma vez a dúvida sobre a privacidade de informações dos usuários.

Na seção “Controle de Atividade” do Google Account é possível ver as informações que a empresa coletou de nossa localização, histórico de buscas, de acesso a sites pelo uso do Chrome e até das gravações que são guardadas quando usamos o comando de voz: “Ok, Google” no celular. De acordo com a empresa, embora os áudios não sejam usados para direcionamento comercial, a geolocalização e os dados demográficos podem, sim, ser usados para este fim.

Como se proteger?

Já dizia a velha máxima: “seguro morreu de velho”, por tanto, se proteger é a melhor saída para evitar invasões de privacidade das gigantes do Vale do Silício. Ainda na seção Controle de Atividade do Google Account você consegue desabilitar as permissões sobre histórico de localizações, atividades de voz e de áudio e até o histórico de buscas no Youtube. Você também pode bloquear ou remover anúncios indesejados nas configurações do Chrome.

No Facebook, é possível alterar as configurações de privacidade na sua conta pessoal, além de controlar as “permissões” do aplicativo nos sistemas Android e iOS. 

Confira mais informações sobre segurança digital e tecnologia nas nosso Instagram e no Facebook.